Glauber Rocha estava marcado para morrer pelos militares

Um documento que será divulgado neste sábado (16) pela Comissão da Verdade do Rio de Janeiro sustenta que o cineasta Glauber Rocha esteve marcado para morrer durante a ditadura militar. Em um relatório produzido pela Aeronáutica e obtido com exclusividade pelo Jornal das Dez, da GloboNews, Glauber é descrito como um dos líderes da esquerda brasileira e o que mais agia na Europa fazendo campanha política contra o Brasil.

Na primeira página do documento, é possível ver a palavra "morto" escrita à mão. "Temos informação de uma fonte, um agente da repressão, que nos falou que era praxe na época escrever de próprio punho 'morto', em uma perspectiva de marcado para morrer", afirma Nadine Borges, presidente da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro.

Por G1
COMPARTILHAR

Dia 23 em Parnaíba tem o espetáculo Coisa Nostra

No espetáculo, Babi e os Sicilianos chamam atenção pela convergência da música com performance, indumentária, cenário, projeções e iluminação transportando o público para a realidade fantástica de Nostrife.

Coisa Nostra - O primeiro disco da banda pretende reunir sonoramente o que Babi Jaques e Os Sicilianos absorveram em intensos três anos de estrada, deixando e levando um pouco da cultura de cada região em que passaram. 


Diferente do demo lançado em 2010, no disco oficial é notório como as esferas artísticas explicitas durante o espetáculo, estão "visualmente" transmitidas através do som. Além de lançarem o novo disco, a banda inicia um novo espetáculo. 


A nova apresentação, criada e dirigida pelos integrantes do grupo tem o intuito de criar um universo fantástico no palco, fazendo com que o público visite Nostrife e a "Coisa Nostra" durante a apresentação.


Com informações do Sesc AvenidaCOMPARTILHAR

Superintendência de Cultura lança edital Portas Abertas e Exposição Mestres das Artes

A abertura da exposição Mestres das Artes aconteceu nessa segunda-feira (11) no Casarão Simplício Dias, sede da Superintendência de Cultura, recebendo a visitação de mais de cem estudantes que prestigiaram a exposição comemorativa dos 170 anos de Parnaíba.
 
MESTRE_DAS_ARTES_IMG-20140812-WA0002
 
Na ocasião foi lançado o Edital Portas Abertas que selecionará novas propostas para intervenções no campo das artes visuais no Casarão Simplício no período de 2014 a 2015.
 
MESTRE_DAS_ARTES_IMG-20140812-WA0004
 
A maioria das peças são de autores parnaibanos e de demais piauienses que ganharam projeção nacional e internacional. A exposição tem o incentivo do IPHAN e pode ser visitada de segunda a sexta no horário das 8h as 12h e das 14h às 17h. Aos sábados e domingos das 08h as 12h.
 
MESTRE_DAS_ARTES_IMG-20140812-WA0005
 
Os artistas plásticos Zé de Maria e Esther Silva, os doutores historiadores Fernando Antônio Baptista Pereira, da Faculdade de Belas Artes de Lisboa e Aurea  Pinheiro, coordenadora do Curso de Mestrado em Arte e Patrimônio da UFPI também prestigiaram a abertura da exposição.
 
Acesse o link abaixo e faça o download do edital completo com as informações sobre como participar da ocupação do Casarão Simplício Dias da Silva, integrando o calendário oficial de exposições promovidas pela Prefeitura de Parnaíba através da Superintendência de Cultura.

Por Sup. de Comunicação
COMPARTILHAR

Espetáculo teatral: Viúva, porém honesta será apresentado dia 24

O espetáculo teatral Viúva, será apresentado dia 24 deste mês, no teatro do Sesc Avenida, às 20h. A peça teatral retrata a história de um diretor de um jornal influente, que não consegue convencer sua filha única a deixar de velar seu marido, que morreu atropelado por uma carrocinha de picolé. O pai contrata uma ex-prostituta, um psicanalista e um otorrinolaringologista, todos charlatões para dissuadir a filha do luto e querer se casar novamente. Como nenhum dos contratados achou uma solução para o caso, o jeito foi ressuscitar o morto para que ela, de apenas 15 anos, deixasse de ser viúva.

“Viúva, porém honesta” é o sexto trabalho do Grupo Magiluth, coletivo teatral que desenvolve pesquisa continuada de linguagem desde 2004 em Recife. Apontado pela crítica especializada como um dos principais jovens grupos do país, o Magiluth investe na obra do dramaturgo pernambucano Nelson Rodrigues para homenageá-lo no ano de seu centenário.

A apresentação tem duração de 1h20.
A entrada 1kg de alimento.

Informações por Sesc Avenida
COMPARTILHAR

"Diário de Genet" será apresentado em Parnaíba dia 26

Dia 26 de agosto em Parnaíba, os espetáculos "O diário de Genet" às 18h e "Coral uma etno(cena)grafia" às 20:30h no Teatro do Sesc Avenida. #EntradaFranca.COMPARTILHAR

Grupo Peleja de Recife realizará oficina de teatro em Parnaíba

Hoje,25, no Sesc Avenida acontecerá uma oficina teatral ministrada por atores do
Grupo Peleja de Recife, a partir das 13h. No sábado,26, será realizado o Espetáculo
" Gaiola de moscas", às 20h no Teatro do Sesc avenida.

Mais informações: (86)3315-1704
COMPARTILHAR

Nathalia Timberg se prepara para viver personagem lésbica na TV

No palco com o monólogo "Paixão", Nathalia Timberg foi a estrela da inauguração do Teatro J. Safra, na Barra Funda, na noite dessa quinta-feira (24), em São Paulo. Generosa, a atriz não gosta de receber sozinha o mérito pelo espetáculo de uma hora que fala sobre o amor. "Não é justo falar que é um monólogo porque tenho dois músicos que conversam comigo (com a música) em cena. São três linguagens que falam de amor, a poesia, a prosa e a música. Há muito tempo que eu lido com esse texto e a cada vez é um presente".

Além do teatro, Nathalia se prepara para um desafio inédito em sua carreira. Ao lado de Fernanda Montenegro, a atriz vai protagonizar um romance homossexual na próxima novela das nove, que está sendo escrita por Gilberto Braga. "Fernanda e eu temos um percurso de vida muito longo, vamos ter um prazer muito grande de estarmos juntas de novo. Vamos ver o que nos reserva esta nova viagem proposta pelo Gilberto Braga. Por enquanto, é uma incógnita", disse a atriz.

Nathalia espera que o público tenha uma percepção diferente com o casal mais experiente. "As pessoas ficam muito ouriçadas com a situação de personagens que são desenvolvidos nesta ordem, mas para mim é uma situação normal de seres humanos que se encontram. Eu gostaria que deixassem um pouco de lado esse enfoque de escândalo da situação. Vai ser interessante por vermos a situação de vida dessas personagens".

Veterana na TV e nos palcos, a atriz falou sobre a nova geração de atores e todo o glamour que ronda a profissão. "Este nosso mundo está acelerado, então eles chegam um pouco acelerados também, querendo queimar etapas. Mas dá mesma forma que você tem pessoas que vêm para este ofício querendo o lado da exibição, tem uma boa parte que vem pela necessidade de expressão e percebe que para poder desenvolver seu horizonte há um preço a pagar, o preço de formação, de conhecer os seus instrumentos de trabalho. A língua ainda é o principal instrumento de trabalho do ator, mas tem muitos que não conhecem direito a língua e isso resulta em textos incompreensíveis. Não entendem que eles são seu próprio instrumento e que precisam conhecê-lo melhor".

Por IG COMPARTILHAR

Morre o escritor João Ubaldo Ribeiro

O escritor João Ubaldo Ribeiro, autor de obras como "Viva o Povo Brasileiro" e "Sargento Getúlio", morreu na madrugada desta sexta-feira (18), aos 73 anos, em sua casa no Rio de Janeiro. Ribeiro teve uma embolia pulmonar.

Membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), ele ocupava a Cadeira 34 desde 1994. Jornalista e cientista político, foi autor de mais de 20 livros, publicados em 16 países.

Nascido João Ubaldo Osório Pimentel Ribeiro em Itaparica (BA), o escritor viveu com a família em Sergipe até os 11 anos. Passou também por Lisboa, Berlim e de novo Itaparica, até se ficar no Rio de Janeiro nos anos 1990.

Se formou em Direito pela Universidade Federal da Bahia,  mas não chegou a exercer a profissão. Cursou também Administração Pública e Ciência Política, sendo professor da Escola de Administração e da Faculdade de Filosofia da Universidade Federal da Bahia e da Escola de Administração da Universidade Católica de Salvador. 

Como jornalista, exerceu diferentes funções no "Jornal da Bahia" e na "Tribuna da Bahia", além de ter colaborado para publicações de todo o mundo.

Entre suas principais obras estão Sargento Getúlio (1971), Viva o Povo Brasileiro (1984) e O Sorriso do Lagarto (1989). João Ubaldo Ribeiro recebeu, em 2008, o Prêmio Camões, concedido pelos governos de Portugal e do Brasil, para autores que contribuem para o enriquecimento da língua portuguesa.

Ribeiro também venceu, por duas vezes, o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro. Em 1972, conquistou o Jabuti de Melhor Autor, por Sargento Getúlio. Em 1984, venceu na categoria Melhor Romance, com Viva o Povo Brasileiro.

Por IG
COMPARTILHAR

Livro retrata vida do artista francês Antonin Artaud

O francês Antonin Artaud (1896-1948) foi um artista múltiplo - comediante, encenador, ator e roteirista de cinema, de programas radiofônicos e de música, escritor, poeta, crítico, agitador, ensaísta, artista plástico, cenógrafo, ele transitou, enfim, por quase todos os ramos e sempre propondo a integridade entre a palavra e a coisa, entre o pensamento e o gesto, entre a arte e a existência. Por conta disso, enfrentou, nos últimos anos de vida, dolorosas internações em sanatórios, onde foi tratado à base de eletrochoques. Foi diante de uma figura tão plural e desafiadora que a pesquisadora Florence de Mèredieu, especialista na obra do francês, decidiu escrever o que parece ser um livro definitivo: "Eis Antonin Artaud", portentoso volume lançado agora pela editora Perspectiva.
Trata-se do mais completo levantamento realizado sobre vida e obra do homem que revolucionou concepções e práticas do teatro. Mais: em sua vasta pesquisa, Florence oferece ainda um retrato da vida cultural europeia entre o final do século 19 e a primeira metade do 20. "Época particularmente complexa e fecunda, atravessando duas guerras mundiais, que vê surgir o que em arte se denominará ‘modernidade’. Teatro, música, literatura e artes plásticas conhecerão subversões radicais, enquanto nasce e se desenvolve a arte de massa que constitui o cinematógrafo", escreve ela.
Artaud teve papel fundamental nessa transição, especialmente no questionamento da racionalidade da civilização. Chamado de o "grande xamã do Ocidente" pela ensaísta Susan Sontag, Artaud estreou como ator no teatro de vanguarda parisiense em 1921, então com 25 anos. A partir daí - e até sua morte -, ele construiu uma concepção teórica e poética sobre a natureza e a finalidade da expressão cênica.
Em 1924, quando já apoiava o movimento surrealista, Artaud escreveu a peça Jato de Sangue, em que utilizou a expressão "excluídos da sociedade" para falar de si mesmo e daqueles que, de alguma forma, acabam marginalizados. Nessa época, ele já desenvolvia a ideia de que o teatro deveria ser o local do encontro e manifestação do inconsciente, do acaso, da imaginação. E, mesmo sem ter conhecimento da teoria brechtiana, que apostava na ruptura do realismo do palco para potencializar a consciência crítica do espectador, Artaud caminhou na mesma direção mas por outras vias.
O artista, que morreu aos 52 anos, sentado aos pés de sua cama, segurando um sapato, no hospício de Rodez, na França, confirmou-se, ao longo dos anos, como um profeta. Artaud acreditava em um teatro que pudesse mudar o homem psicologicamente e não socialmente, por meio da liberação das forças tenebrosas e latentes de sua alma. Por conta disso, trabalhou na vertente das inquietações dos teóricos simbolistas e surrealistas, levadas às últimas consequências.
Em seus textos teóricos (como, por exemplo, "A Evolução do Cenário"), Artaud já defendia uma forma teatral que ressaltasse a importância do "espírito e não da letra do texto". Ou seja, uma ação cênica baseada na linguagem do gesto, diminuindo o poder da palavra. Para ele, o teatro deveria "voltar à vida", mas não à maneira dos naturalistas, e sim num nível mais místico e metafísico, aproximando-se das angústias e perturbações reais vividas pelos espectadores. Para isso, o público seria submetido "a uma verdadeira operação envolvendo não apenas a mente, mas também os sentidos e a carne". A essa manifestação, em que o vital se sobrepõe à moral e à razão, Artaud deu o nome de Teatro da Crueldade, que foi sacralizado em um manifesto redigido em 1932.
Em seu poderoso livro, Florence de Mèredieu observa que Artaud exerceu o ofício de sua fala nos dois lados de mundos espirituais antagônicos, o da loucura e o da sanidade, uma vez que Artaud passou vários anos internados em hospícios. Sua obra, porém, tornou-se o roteiro de uma existência e influenciaria importantes movimentos cênicos pelo mundo, como o teatro do absurdo (de Adamov e Ionesco) e o trabalho marcado pelo absoluto despojamento dos atores de Grotowski. E, no Brasil, especialmente as investigações do Teatro Oficina, sobretudo a partir de "Roda Vida" (1968). Como um oceano de ideias, Artaud transbordou pelo mundo. 
 
Por IG
COMPARTILHAR

Zé do Caixão volta a ser internado

Conhecido por seu personagem mais célebre, o Zé do Caixão, o ator e cineasta José Mojica Marins, de 78 anos, voltou a ser internado no Incor - Instituto do Coração, em São Paulo. Em nota publicada nesta quinta-feira (19) em sua página no Facebook, a filha de Mojica, Liz Marins, diz que houve uma "piora das funções renais".


Reprodução/Facebook
Liz Marins e o pai José Mojica no hospital

O retorno de Mojica ao hospital aconteceu na última sexta-feira (13), explica a filha. Junto da nota, Liz publicou uma foto tirada em 3 de junho, dia em que o pai teve alta após a primeira internação. Na ocasião, Mojica foi internado em 22 de maio em decorrência de um infarto e precisou passar por uma cirurgia cardíaca.
"Estávamos contentes com a alta, mas a situação de instabilidade da recuperação física como um todo tornou necessária uma nova internação", publicou Liz nesta quinta (19).
A primeira internação, explica a filha, foi "a contragosto do próprio". "Mesmo constatada a extrema necessidade, ele não queria ficar internado. Afinal, é uma pessoa ativa e, convenhamos, que por melhor que seja o hospital, profissionais e instalações, ficar internado sempre é muito chato."
Durante a internação passada, Mojica ainda sofreu mais um infarto na madrugada anterior à cirurgia. "As chances de vida longe de um hospital adequado nesta situação seriam quase 0%", descreve a filha.
Liz Marins explica que a cirurgia foi "bem delicada", com colocação de três stents para liberar as vias. Mojica teve duas paradas cardíacas durante o procedimento, mas "não afetando a área neurológica". 
Depois da alta, Liz e as irmãs Meire (por parte de pai e mãe) e Rose (por parte de pai) desconfiaram que a falta de apetite do pai poderia estar relacionada à uma desidratação e o levaram de volta ao hospital.
Em 13 de junho, Mojica foi internado novamente com, segundo Liz, "diagnóstico de considerável aumento do nível de potássio em seu corpo e uma piora das funções renais".

Por IG
COMPARTILHAR

Escolhidas rainhas juninas de 2014 de Parnaíba

Na categoria adulto: Jennifher Kelly da quadrilha Balança Mais Não Cai e na categoria mirim: Henaylle Sampaio  da quadrilha Lumiar. Concurso é realizado pela Liga Parnaibana de Quadrilhas Juninas.

Com informações de Daniel Nunes



COMPARTILHAR

Ithalo Furtado lança seu primeiro livro nesta sexta (20) no Café Aventur

Nesta sexta (20), às 20h, no Café Aventur, localizado no Complexo Porto das Barcas, em Parnaíba, será lançado o primeiro livro do escritor parnaibano Ithalo Furtado: Uma pedra em cada por enquanto.  Sem gênero definido, a obra traz crônicas, poesias e contos que retratam o olhar do escritor sobre sua geração, com temas típicos do nosso tempo, como: A delicadeza perdida, a sociedade de consumo, a era do indivíduo, os amores, as paixões e os temores que permeiam a vida das pessoas.
Com capa do ilustrador Português Vasco Gargalo, fotografia de Alessandra Mota, prefácios do escritor e crítico literário Daniel Ciarlini e da escritora gaúcha Michele Pupo e orelha da poetisa Sorocabana Lívia Gusmão, o escritor apresenta sua obra literária que denomina como um ensaio poético sobre os nossos dias, um pedido de demissão dos tempos difíceis.
Sobre o autor
Ithalo Furtado, 29 anos, é escritor, compositor e ativista cultural. Natural de Parnaíba, desde os 19 produz material para internet e hoje é colaborador dos portais Jardim Elétrico e Teia Cultural, ambos de São Paulo.
Através de seu trabalho na literatura, já foi elogiado por artistas tanto de sua cidade quanto de outras partes do Brasil.
Já entrevistou artistas máximos do cenário nacional como Leoni, Moska e Lenine e novos nomes da cena como a banda Validuaté e a cantora Roberta Campos, além de já ter dividido mesas redondas com grandes escritores da nova geração, como em 2013 quando foi convidado pelo Salão do Livro de Parnaíba (SALIPA) para participar ao lado do escritor Fabrício Carpinejar.
É visto por seus leitores como um poeta denso, introspectivo e musical, tendo em vista a proximidade de sua poesia com a métrica das canções. Como compositor, já foi gravado pelos músicos parnaibanos Charleno Pires, Haynna e a banda Bugiganga.
Atualmente, escreve um romance usando as plataformas Facebook e Tumblr, chamado O Guarda-Chuvas Vermelho, e se prepara para lançar seu primeiro livro físico, Uma pedra em cada por enquanto.

Por Costa Norte
COMPARTILHAR

Grupo Soneto Musical será a próxima atração do Curta Minha Banda

Com o repertório que passeia pelos clássicos da MPB e outros estilos musicais, o Grupo Soneto Musical está preparando uma apresentação especial para o próximo sábado dia 21, quando a Superintendência de Cultura realizará mais uma edição do projeto “Curta Minha Banda” na praça Mandu Ladino a partir das 17h.
Alceu Valença, Gal Costa e Raul Seixas são alguns dos artistas que serão homenageados pela banda. O grupo Soneto Musical surgiu ano passado pensando em juntar música e poesia. A primeira formação do grupo já apresentou-se em público e também organizou e apresentou o show “O Ensaio” que homenageou três estilos musicais, considerando o rock, bossa nova e o forró/baião.
Fonte: Ascom
COMPARTILHAR

Superintendência de Cultura divulga lista de grupos participantes do São João da Parnaíba

 
A Superintendência Municipal de Cultura divulgou a ata de avaliação da documentação para habilitação de grupos culturais aptos a participarem do concurso de quadrilhas juninas do 14° Arraial do São João da Parnaíba a ser realizado no período de 04 a 12 de julho na praça Mandu Ladino.
A ata consta da avaliação de regularidades do Edital no 02/2014, XIV Arraial São João da Parnaíba, Concurso de Quadrilhas Juninas e Bumba-meu-boi, Regulamento do Concurso e Resolução Nº 01 do Conselho Municipal de Cultura.
Diante da análise da documentação solicitada aos grupos culturais foram considerados habilitados a participarem do concurso os seguintes grupos:
- Grupo Cultural Anarriê;
- Grupo Cultural Balança Mais Não Cai;
- Grupo Cultural Fogo de Palha;
- Grupo Cultural Lumiar;
- Grupo Cultural Rei do Cangaço;
- Grupo Cultural Sanfona de Prata.
De acordo com a organização do evento o Grupo Cultural Mistura Junina foi considerado inapto a participar do concurso, uma vez que deixou de apresentar os documentos de habilitação que comprovem que mais de oitenta por cento de seus integrantes residem na cidade de Parnaíba, conforme resolução Nº 01/2014 editada pelo Conselho Municipal de Cultura.
Fonte: Ascom
COMPARTILHAR
 
Copyright (c) 2008-2010 FerramentasBlog.com | Tecnologia do Blogger | Sobre LemosIdeias.com | Não são autorizadas obras derivadas.